Brasília Geral Hudson Cunha

Grupo Rosas do Cerrado: “Nos perguntam qual é o nosso objetivo principal quando aparecemos na mídia?”

Grupo Rosas do Cerrado: “Nos perguntam qual é o nosso objetivo principal quando aparecemos na mídia?”

O grupo Rosas do Cerrado nasceu em 2016, após a realização do primeiro desfile no plenário da Câmara Legislativa do DF.

Em 2017, através de um encontro entre as professoras de Educação Especial Angela Ferreira e Maraísa Helena – ambas diagnosticadas com câncer de mama e na época em tratamento – foi consolidada a criação de um grupo para autoajuda com perfil diferenciado. A ideia era reunir mulheres que tiveram (ou ainda tenham) o diagnóstico de câncer de mama, mas que fossem animadas, com bom astral, alegres e super dispostas a continuarem vivendo a vida intensamente, sem reclamações sobre a doença.

A proposta de formação do grupo foi se consolidando rapidamente, sem o foco nas doações de lenços ou perucas. A intenção sempre foi de levar otimismo , bom humor, alegria de viver e disposição para demonstrar que podemos e devemos ser vaidosas mesmo passando por uma fase temporária de “carequinhas”. O nosso exemplo acabou “contagiando” outras mulheres e a adesão delas foi espontânea, acontecendo rapidamente através das redes sociais. Mulheres com diversas profissões, com personalidades interessantes, com uma alegria e animação contagiante foram se aproximando. É um grupo que se fortalece diariamente nutridas pela alegria de viver!

Trocamos experiências, receitinhas de alimentação e de beleza.

Acreditamos que diagnóstico não significa sentença de morte e com isso temos levado esta mensagem de fé e resiliência. Somos todas voluntárias. Não existe um estatuto definido no grupo, o respeito mútuo e a compreensão dos limites de cada uma é a nossa única regra. Então as participações nos eventos é conforme a nossa disponibilidade. No grupo temos uma psicóloga Jacinta Fonte, diagnosticada e já curada do câncer de mama. Ela também é sexóloga e nos ajuda quando alguém dá uma recaída e temos uma médica oncologista, Dra Luci Ishii que nos orienta nas dificuldades diárias e recaídas. Somos disponíveis para palestras motivacionais  e encontros para conversas amigáveis com as mulheres que estão passando por essa fase difícil do diagnóstico.

As pessoas nos perguntam qual é o nosso objetivo principal quando aparecemos na mídia? Respondemos que é chamar atenção para a causa das mulheres “invisíveis “, que infelizmente não tiveram a mesma oportunidade que nós. Somos, um grupo de exceção, privilegiadas! Tivemos acesso a um tratamento digno, apoio da família e dos amigos. Mas, continuamos a lutar por aquelas mulheres que sofrem nas filas dos hospitais sem acesso a exames e tratamentos humanizados. Elas não podem perdem a esperança de viver! O câncer não espera a burocracia do sistema. Lutamos contra um inimigo forte, mas Deus é mais poderoso e nós decidimos viver. Então, quem puder ajudar alguma dessas mulheres “invisíveis”, ofereça a doação de um exame ou de uma parte do tratamento na rede particular.

 

Dia 24 de outubro, as Rosas do Cerrado estarão realizando um lindo desfile no Museu Nacional com abertura da Banda da Marinha. O desfile será às 15hs.

 

CONTATOS:

Angela Ferreira 99955-6805

Maraísa Helena 99311-2880

Sobre o autor | Website

Jornalista Especializado em Comunicação Empresarial e Marketing em Mídias Digitais. É idealizador da Escola do Jornalista Digital e Diretor de Comunicação e Marketing da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!